À mulher de César não basta ser

4 semanas ago
69

Podia ter sido meramente uma infeliz arbitragem de uma equipa técnica, mas há valores que são inegociáveis. Sérgio Conceição costuma afirmar o mesmo, em relação ao que pede à sua equipa, mas ninguém diria que seria necessário falar de valores tão básicos relativamente a um elemento neutro de uma competição desportiva.

Hugo Miguel falhou e todos podemos falhar. Falhamos diariamente. O que não pode falhar é o respeito comum e o tratamento por igual. Hugo Miguel brincou, gozou e humilhou um atleta de uma equipa interveniente. Riu-se, fez um gesto evidentemente jocoso (na foto) e seguiu. Até poderia não existir qualquer relação causa efeito na sua ação e na decisão que tomara previamente, que não tornaria tudo menos lamentável.

Ficou provado e demonstrado que Hugo Miguel não possui, à data de hoje, capacidade psicológica para ser imparcial e independente na profissão que realiza. O árbitro levou para dentro das 4 linhas opiniões pessoais formadas e não mostrou ser capaz de tratar os 22 jogadores em campo por igual precisamente por essa razão.

Não restará outra opção sensata que não seja o afastamento de Hugo Miguel.

SIGA-NOS

Nas redes sociais

Notícias relacionadas

em destaque

Marche quer jogar mais, mas garante querer «o melhor para o clube»

Titular durante toda a competição, Marchesín consagrou-se também como vencedor da Dobradinha e estava naturalmente feliz no final do encontro. No entanto, o guarda-redes argentino...

2

Mbemba: «Seja qual for o meu futuro serei sempre portista»

3

Jornalista francês afirma: Diretor do PSG reuniu-se com Conceição

4

Namaso aborda o futuro: «Vamos ver o que acontece»