O Özil do Olival

4 meses ago
119

São muitas as comparações que florescem no Olival para caracterizar os enormes talentos que a Invicta têm produzido. Figuras como Moutinho ou Deco já surgiram para enaltecer as qualidades de Vitinha. Valem o que valem e, com as devidas distâncias, servem para alegrar a mente dos dragões.

Recentemente, Fábio Vieira têm protagonizado momentos de genialidade e astúcia pura nos terrenos por onde passa. Digno de uma referência por parte do jornal espanhol “Marca” onde se refere a “um futebolista diferente” que “faz assistências de três em três”.

Desde a entrada quase a “full time” de Vitinha no onze inicial do FC Porto, a personalidade de ataque dos comandos de Sérgio Conceição mudou. Passou a reinar a contemporização dos tempos de jogo, assertividade nos envolvimentos e desmarcações e a leitura ideal das circunstâncias de cada quadrado do relvado jogado. O médio portista faz tudo isto na perfeição. Além de todo o coletivo beneficiar desde cérebro moderno, Fábio Vieira galvaniza o seu talento de uma forma muito mais preponderante.

Apesar de, aparentemente, não existir uma relação óbvia entre estes dois acontecimentos, a calma de um proporciona a irreverência do outro. Ou seja, os números que o médio ofensivo portista apresenta (1 assistência realizada a cada 69 minutos dentro dos relvados da Liga Bwin, de acordo com dados da Transfermarkt), resultam da fluidez responsável que Vitinha concede à equipa. Promotora de uma criatividade ofensiva que só o número 50 dos dragões consegue dar.

Os tempos gloriosos de Mesut Özil em Madrid lembram o que é hoje o Fábio Vieira. Aquele tipo de jogador que a qualquer momento pode fazer algo de verdadeiramente diferenciado. Um mágico com a varinha nos pés. Daqueles médios ofensivos que talvez já não exista entre os demais. Predestinado para ditar o curso do jogo a seu belo prazer, momentos técnicos de uma frieza brutal e uma genialidade simplista que regala o olho de qualquer adepto de futebol.

SIGA-NOS

Nas redes sociais

Notícias relacionadas

em destaque

Marche quer jogar mais, mas garante querer «o melhor para o clube»

Titular durante toda a competição, Marchesín consagrou-se também como vencedor da Dobradinha e estava naturalmente feliz no final do encontro. No entanto, o guarda-redes argentino...

2

Mbemba: «Seja qual for o meu futuro serei sempre portista»

3

Jornalista francês afirma: Diretor do PSG reuniu-se com Conceição

4

Namaso aborda o futuro: «Vamos ver o que acontece»